terça-feira, 28 de outubro de 2008

Design Feminino

Somos bombardeadas com imagens de mulheres lindas com corpos perfeitos diariamente, com isso nos deixamos aprisionar por padrões estéticos cruéis e duros. E, muitas vezes, deixamos que eles definam o que podemos ou não vestir, aonde ir, como agir.

Nós cobramos de nós mesmas uma imagem de perfeição que não existe. Por mais que nos esforcemos, estamos constantemente insatisfeitas com nossos corpos. Encontramos sempre algo que gostaríamos de mudar para ficar perto desse ideal de beleza e acabamos por supervalorizar nossas “imperfeições”.

Uma vez, um amigo disse brincando que cada mulher tinha um design diferente, único, como um carro. E ele, como a grande maioria dos homens, está sempre observando e analisando, de maneira desinteressada, os últimos lançamentos assim como os modelos no mercado.

Tratando-se de carro, o que realmente procuramos no momento de compra? Será que só levamos em conta o seu design? Conforto, praticidade e economia não são aspectos a serem considerados?

Pensando nisso, imagine encontrar, na rua, um design sedutor, com formas curvas elegantes e o acabamento arredondado. Além disso, equipado com vários itens de conforto e segurança (câmbio automático, air bag duplo e direção hidráulica, ar-condicionado e CD player com MP3). Seria um deleite para os olhos e felicidade de qualquer motorista, não é mesmo?

Então, será que uma mulher só ficará satisfeita quando se tornar um Corolla Sedan ou Honda Civic?

É claro que viver se comparando com outros modelos é uma exigência com relação ao corpo muito grande e interfere de maneira negativa na vida com o passar do tempo. Entretanto, como manter a auto-estima elevada numa sociedade marcada pelos padrões?

Ao estabelecer nossa própria definição de beleza, podemos nos esforçar para conquistar o nosso melhor design. Motivar-nos é muito mais saudável do que desejar as formas inalcançáveis da última tendência do Salão do Automóvel.

Um modelo como o Ford Ka, pode não agradar a todos os compradores, mas ele possuí características que são diferenciais, como um design arrojado, compacto, prático e econômico. Além disso, tem charme e conforto, o que tem aumentado a popularização desse tipo de veículo, principalmente entre os jovens.

E o que falar de um Jeep Cherokee: grande e muito espaçoso, que apresenta design moderno, com linhas retas, tem uma grande potência do motor e a ideal para viagens com a família.
Se nós temos gostos e necessidades diferentes, por que devemos seguir esta imposição de padrões?

Por que, então, não aceitamos nossas diferenças?

São, justamente, essas diferenças que nós fazem únicas. Todas nós temos algo que nos diferencia das outras, pode ser tanto uma característica física quanto de personalidade. Vamos nos permitir sermos (im)perfeitas e quem quiser que nos aceite e compre o nosso modelo. No final das contas, todas nós queremos andar com conforto e segurança, independentemente do estilo.
Dolly

3 comentários:

Anônimo disse...

Quando o modelo do carro estiver velho,será que os homens irão trocá-lo por um mais novo?

Camilla disse...

Cara Dolly
No início,os homens podem se interessar mais pelo design do carro,mas com o tempo, eles irão perceber que para continuar com um carro outros itens serão mais importantes.

Lia disse...

Pois é,ainda tem muito homem que só vê isso na hora de comprar carro.